Sem deter o gesto… – Redação do Momento Espírita

O Mestre dos mestres, em discurso aos Apóstolos, se declara: Eu, porém, entre vós sou como aquele que serve.

Assim se identificou.
Assim viveu.
É sempre no atendimento ao outro que encontramos Jesus.

Às margens do mar da Galileia, em casa de Pedro, convidado a banquetes em casa de Simão, o ex-leproso, de Levi, ou de Zaqueu, Ele sempre é aquele que serve.

Serve aos convivas, com Seu verbo esclarecedor, não perdendo oportunidade de elucidar as mentes privilegiadas da época.

Ou o povo simples das estradas, dos montes e das planícies da Pereia, da Galileia, da Judeia.

De Suas mãos se projetavam fluidos curadores, beneficiando a enfermos, liberando-os de suas mazelas físicas.

Orientando-os, no entanto, para que alterassem a sua forma de viver para que nada pior lhes viesse a acontecer.

Com a Voz de Pastor do imenso rebanho terreno, Ele consola aqui, esclarece ali, ilumina adiante.

Enquanto todos seguem o ritual da ceia, Ele é aquele que se dispõe a lavar os pés dos Seus Apóstolos, ensinando que nenhuma tarefa é indigna da mais nobre personagem.

E O vemos desfilar, sereno, acima das calúnias que O desejam atingir.
Ele prossegue, tranquilo, pleno de luz.

Com Ele aprendemos que o bem proporciona paz de Espírito, alegria de viver.
Aprendemos que o bem, em primeira instância, faz muito bem a quem o pratica.

É a sabedoria do Mestre nos lecionando não somente o amor ao outro, mas sobretudo a nós mesmos.

Fala-se que, quando se realiza um ato benévolo, temos liberação de ocitocina, hormônio que causa bem-estar, um neurotransmissor da felicidade.

Podemos reconhecer quanto isso é verdadeiro, quando fazemos algo, sem intenção alguma de agradecimento ou qualquer retorno do beneficiado.

Sentimo-nos quase eufóricos.
Alegria de fazer algo útil, de produzir o bem.

Ouvimos, certa feita, o relato de um rapaz que estava em uma cafeteria.
Ali, no balcão, ele saboreava, lentamente, o seu café.

Uma grande tristeza lhe ia na alma, misturada com uma saudade indescritível.
Nesse dia, se completavam exatos dez anos da partida de sua mãe para a Espiritualidade.

Ele sentia uma vontade imensa de poder tornar a abraçá-la.

Nisso, teve a sua atenção atraída para três senhoras que entraram e ocuparam uma das mesas da cafeteria.

Ele as olhou e pareceu-lhe ver sua própria mãe em uma delas.
Sua postura, sua fisionomia lhe lembrava a mãe querida.

De imediato, teve vontade de pagar café para as três senhoras.
Levantou-se, dirigiu-se à mesa e, com delicadeza se apresentou, dizendo que pedia licença para lhes oferecer um café.

Explicou do decênio sem sua mãe e que uma delas, mais especialmente, a lembrava.
A senhora se levantou e, para sua surpresa, confidenciou:

Rapaz, você parece meu filho, que morreu há uma semana.
Permita-me abraçá-lo.

Enlaçados, misturaram suas lágrimas e sua emoção, dividindo saudades.

Por vezes, detemos algum gesto desse tipo, temerosos de sermos mal interpretados.

Permitamo-nos distribuir o bem, delicados, atenciosos.
.
.

Redação do Momento Espírita, com transcrição

do Evangelho de Lucas, cap.
22, vers.
27.

Em 14.
9.
2022.

 66 total views,  2 views today