Onde você gostaria de estar? – Redação do Momento Espírita

Eles sempre guardavam aqueles momentos finais do banho dela para uma brincadeira especial.

Chamavam aqueles instantes de hora de relaxar.

Ele propunha a ela, uma menina bastante agitada, que fechasse os olhos por alguns instantes, e apenas sentisse a água morna caindo sobre a cabeça, sobre os ombros, e curtisse aqueles breves segundos.

O pai também fechava os olhos e, por cerca de um minuto, ficavam ambos, em pleno silêncio.

Com o tempo, ele pensou em elaborar um pouco mais a experiência e foi propondo algumas outras reflexões:

Filha, tente não pensar em nada, sinta apenas a água caindo quentinha sobre os seus ombros e perceba como é gostoso.

Agora, imagine, na sua cabecinha, um lugar bem bonito onde você queria estar, que te deixe bem feliz.
.
.

Nesse instante, o pai, que observava com encanto a dedicação da menina, apenas de rabo de olho, percebeu nela uma expressão de admiração, de estranhamento, que a fez abrir um dos olhinhos.

O que foi filha? Pensou num lugar?

Ao que ela respondeu com a naturalidade e a pureza que só as crianças conseguem ter:

Sim, pai, pensei.

Onde? Quis saber o pai curioso.

Ora, aqui mesmo!

Foi então que o pai entendeu a bela lição.
Não havia para ela, naquele instante, lugar melhor do que aquele.
Ela estava vivendo intensamente o instante, o agora.

* * *

Quando crianças, quase sempre estamos de corpo e alma no lugar, na atividade em que nos envolvemos.
Não estamos divididos.

É quando chegamos na idade adulta que perdemos esse foco.
Fazemos alguma coisa com a alma em outra, realizamos uma tarefa sem estar completamente presente nela.

É muito curioso, mas é como se vivêssemos fugindo da realidade, insatisfeitos com o que a vida nos apresenta, correndo atrás de nós mesmos, do tempo, de um amanhã que nunca chega.
.
.

Acordamos às sete horas pensando quando chegará as dezoito; chegamos na segunda-feira pensando na sexta; vivemos o domingo sonhando com o próximo feriado; trabalhamos com a mente na aposentadoria.
Nunca estamos onde estamos.

Sem perceber, essas condutas têm nos trazido problemas graves de ansiedade, de irritação e de pensamentos pessimistas.

Viver intensamente o agora é a chave da construção da nossa felicidade na Terra.

Fazer bem, tudo na vida, com ânimo, com alma, assegura a saúde do corpo e da mente.

É certo que nem sempre estamos fazendo algo que gostamos.
Nem sempre estamos em situações agradáveis, e a tendência a querer fugir é grande.

No entanto, pensemos como soldados numa batalha, soldados com uma missão, e a cumpramos com louvor para que o quanto antes possamos voltar para casa, para que o quanto antes a guerra termine.

Façamos tudo com capricho, com esmero e com presença de espírito.

Quando nos momentos difíceis, retiremos todas as lições de aprimoramento possíveis.

Assumamos a postura do aluno atento na sala de aula.

Quando nos instantes de júbilo, de paz, permitamo-nos aproveitar, permitamo-nos viver, sem culpa, sem estarmos assombrados com ideias como você não merece; você não pode.

Estamos onde precisamos estar.
Façamos de cada momento o melhor possível.

Redação do Momento Espírita

Em 3.
12.
2021.

 134 total views,  4 views today