9 OS MANIFESTANTES – DIÁLOGO COM AS SOMBRAS HERMÍNIO C. MIRANDA

Variam muito as categorias de Espíritos que comparecem a um grupo mediúnico.
Vimos aqueles que pertencem às equipes socorristas, dedicados ao bem, ao trabalho construtivo, à renúncia, ao amor fraterno.
Claro que não são, nem se julgam, seres redimi-dos, à soleira da perfeição.
Ainda trazem, como todos nós, impurezas e imperfeições, a que dão combate sem tréguas, nas lutas redentoras em que se empenham, O próprio trabalho a que se dedicam, de socorro às almas que sofrem dores maiores, é um dos mais eficazes instrumentos de auto-resgate.
Ninguém precisa, e ninguém deve esperar perfeição, para servir, porque, então, nunca chegaríamos a fazê-lo.

No anverso da medalha encontramos os Espíritos envolvidos em dolorosos processos de atordoamento moral.
Não nos iludamos com os seus rancores, sua gritaria, sua violência e agressividade: são terrivelmente infelizes, a despeito de tudo quanto digam ou façam.
A couraça de ódio de que se revestem não passa de uma defesa desesperada contra a infiltração benéfica do amor.
Temem mais o amor do que o ódio, mas desejam-no acima de tudo neste mundo.
Não buscam, no fundo, outra coisa, senão serem convencidos de seus erros, para retomarem o caminho evolutivo, abandonado, às vezes, há séculos ou milênios.
E, coisa ainda mais estra nha, trazem também amor no coração, ainda que sepultado em profundas camadas de desesperança e desenganos.

Sem a pretensão de cobrir todo o terreno e esgotar o assunto, tentaremos apresentar e estudar algumas dessas categorias.

 76 total views,  2 views today