PAZ EM NÓS – CALMA – EMMANUEL – FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER 0/5 (1)

A paz em nós não resulta de circunstâncias externas e sim da nossa tranqüilidade de

consciência no dever cumprido e é preciso anotar que o dever cumprido é fruto da

compreensão.

***

Compreender significa, na essência, desculpar as pessoas que nos cercam, nas oposições

que nos façam e esquecer as ocorrências que nos mostrem adversas, a fim de que nos

mantenhamos fiéis à tarefa que se nos indica.

***

Não te conturbem a censura ou a crítica dos outros no desempenho das obrigações que a

vida te assinala, porquanto se aceitas os próprios compromissos no bem geral, esses

compromissos dizem respeito a ti mesmo e não aos que te observam, nem sempre com

lógica e segurança.

***

Em qualquer atividade edificante, convém lembrar que idéias e palavras, ações e atitudes

dos outros pertencem a eles e não a nós.

***

No critério da reciprocidade, é justo recordar que não nos é lícito violentar essa ou aquela

pessoa com opiniões e medidas tendentes a sufocar-lhes a personalidade.

***

As discussões auxiliam em muitos casos de assuntos obscuros ou de companheiros

desinformados, mas servir aos semelhantes, doando-lhes, o melhor de nós, é o argumento

decisivo para clarear os agentes de solução a qualquer problema.

***

Para colaborar no interesse do bem de todos, é imperioso olvidar-nos naquilo que as

induções ao egoísmo nos impulsionem a titubear, ante as obrigações que a vida nos traça.

***

Ainda que todos os elementos exteriores se te revelem contrários à ação que desenvolves, é

***

perfeitamente possível guardar a própria serenidade, desde que saibas entender pessoas e

situações, deixando-as onde se coloquem e seguindo para a frente com o trabalho que te

compete.

***

A paz em nós – repitamos – nasce da compreensão em serviço e a compreensão em serviço

é mantida pela tolerância para com os erros alheios e até pela auto-aceitação dos nossos

próprios erros, de modo a sabermos corrigi-los sem tumulto e perda de tempo.

***

Em suma, enquanto não soubermos perdoar, não seremos livres para submeter-nos à

prática do bem, segundo as Leis de Deus.

***

 110 total views,  4 views today