SE A VOSSA JUSTIÇA NÃO EXCEDER A DOS ESCRIBAS E FARISEUS… – Rodolfo Calligaris – O Sermão da Monta

Escribas e fariseus eram criaturas extremamente zelosas dos

ritos, cerimônias e observâncias instituídas pelo rabinismo

judaico.
Cumpriam à risca essas exigências secundárias da lei, a

que emprestavam grande valor, e, porque Jesus e seus discípulos

não lhes davam a mesma consideração e respeito, não se

cansavam de censurá-los, apontando-os à execração do povo.

A religiosidade deles, entretanto, não ia além dessas práticas

exteriores.
Orgulhosos de pertencerem a uma raça (supostamente)

favorecida por Deus, egoístas e duros de coração, não tinham a

menor piedade para com os estrangeiros, e em tudo buscavam tão

só e unicamente o benefício pessoal.

Não foram capazes, por isso, de suportar a doutrina trazida pelo

Cristo, toda ela calcada na humildade, na tolerância e no amor

universais e, após perseguições sem conta, acabaram pregando-o

no madeiro infamante.

Por lhes conhecer a hipocrisia, os simulacros de virtude, é que

o Mestre, ao iniciar sua interpretação da Lei e dos profetas, no

maravilhoso Sermão da Montanha, foi logo advertindo os que

estavam a ouvi-lo: “Se a vossa justiça não exceder a dos escribas

e fariseus, de modo nenhum entrareis no Reino dos Céus”.

(Mateus, 5:20.
)

Com essas palavras, queria frisar que a justiça perfeita, sem a

qual ninguém será admitido nos altos planos da espiritualidade,

consiste em “amarmos o próximo tanto quanto a nós mesmos”,

mas isso incondicionalmente, sem cogitar de suas falhas, de sua

nacionalidade, de sua raça, nem de seu credo religioso, como Ele

soube querer bem a todos, até mesmo àqueles que, por invencível

ignorância, tornaram-se seus inimigos encarniçados.

Sim, porque amar apenas os bons, os compatrícios, os de nossa

cor ou os que comungam de nossa fé, com exclusão dos demais, é

fazer distinção entre os filhos de Deus, é faltar com a caridade, e,

pois, descumprir a Lei.

Isso posto, se você, caro leitor, se diz católico, ou evangélico,

ou espírita etc.
, mas não ama o seu próximo, isto é, não o socorre

em suas necessidades, não o assiste em suas aflições, nem procura

amenizar-lhe as dores; se você nega também o seu óbolo a esta ou

àquela instituição de assistência social, simplesmente porque os

que lhe dirigem os destinos rezam por uma cartilha diferente da

sua; se você age assim, meu amigo, ainda que louvado no que lhe

digam os mentores de sua Igreja, você poderá ser um católico

fervoroso, um evangélico extremado, ou um espírita convicto,

mas não será verdadeiramente um CRISTÃO, porque só é digno

desse nome aquele que, a exemplo do Cristo, já se tornou capaz

de oferecer a todos, indistintamente, as suas mãos amigas, a sua

palavra consoladora e o seu coração estuante de amor.
.
.

 78 total views,  2 views today